Viver de Crédito | Corbantech - Posicionamento Digital para Correspondentes Bancários

Risco de Crédito: Como as empresas de rating atribuem pontuação para empresas e países

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Olá, Corbanks e Simpatizantes do Viver de Crédito! 🙂🙂

Você sabe como as empresas de rating atribuem pontuação para empresas e países?

Neste artigo, abordo o tema de Risco de Crédito, reconhecendo as principais determinações da Resolução 2.682/99 do Banco Central do Brasil.

E também sobre o conceito de rating para a decisão de crédito, identificando as principais agências internacionais de rating e suas classificações de risco de crédito.

Não esquece de colocar a sua opinião nos comentários abaixo, ⬇ pois é a sua opinião que me ajuda a rechear esse blog de conteúdo!

O mercado de crédito e o risco de crédito

Como você sabe, todas as atividades que envolvem operações de intermediação financeira são reguladas por órgãos, como por exemplo, o Banco Central.

Portanto, há diversas legislações e determinações que devem ser cumpridas pelas instituições que exercem estas atividades, para que as mesmas possam operar em nosso mercado.

No artigo Crédito bancário: diferença entre empréstimo e financiamento, explico que Crédito está relacionado com a troca de bens e serviços no momento presente, por uma promessa de pagamento no futuro.

Ou seja, quem empresta está disposto a receber um “prêmio”. O risco de não receber e a possibilidade de perda podem alterar esse fluxo de caixa.

A grosso modo, as atividades bancárias se resumem em captar empréstimos de recursos, por meio dos investimentos que o banco oferta ao mercado.

Quem tem recursos sobrando, investe. Quem precisa de recurso, capta empréstimo.

Uma das exigências da legislação, obrigada as instituições a reservarem uma porcentagem que varia por tipo de operação, e de período para período, chamada de Depósito Compulsório.

O Depósito Compulsório é a taxa, o montante de recursos que o banco deve deixar guardado no Banco Central, para qualquer eventualidade.

Se por exemplo, grande parte dos investidores resolver resgatar seu dinheiro de volta em momentos de crise, então, o compulsório poderá atender a essa demanda descoberta.

Logo, as operações de crédito, de investimentos e financiamentos, não ocorrem com 100% dos recursos que o banco movimenta.

Uma parte relevante desses recursos movimentados fica guardada no Banco Central, para garantir o controle de risco relacionado com os recursos.

O que prevê a Resolução 2.682/99 do BACEN

Essa resolução embora um pouco antiga é muito pertinente à atualidade do nosso mercado.

Ela se aplica às instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Abrir um banco, não é como abrir uma loja de roupas ou um restaurante, por exemplo.

Qualquer empresa que trabalhe com intermediação de recursos financeiros, deve ser autorizada e regulada pelo Banco Central do Brasil.

Se não houver autorização do BACEN, essa instituição estará atuando irregularmente e poderá ser autuada e fechar as portas.

É uma atividade extremamente regulada pelo BACEN, com características específicas, e que envolve outras áreas também com características específicas, como é o caso da contabilidade.

A contabilidade para instituições financeiras é feita de modo diferente da contabilidade de empresas tradicionais.

A composição do “Contas a Pagar e a Receber”, que são os créditos tem suas provisões realizadas de outra maneira, justamente por causa de regulamentações como a 2.682/99.

O que as resoluções falam:

A classificação das operações de crédito, de arrendamento mercantil e outros créditos em geral, nos níveis de risco, são: AA, A, B, C, D, E, F, G e H.

Toda operação de crédito realizada como um recebível, deve ser registrada nas informações contábeis, por nível de risco.

O que determina o nível de risco?

O nível de risco é determinado por dois grandes grupos de informação: o primeiro, em relação ao devedor e seus garantidores; e o segundo, em relação à própria operação.

Em relação ao devedor e seus garantidores todos estes fatores são considerados e analisados: a situação econômico-financeira, o grau de endividamento, a capacidade de gerar receita, o fluxo de caixa, a administração e qualidade de controles, a pontualidade e atrasos nos pagamentos, as contingências, o setor de atividade econômica e o limite de crédito estabelecido. 

Se por exemplo, 70% da renda de uma das partes estiver comprometida, como é que ela poderá pagar um empréstimo de valor relevante, se a renda está quase toda comprometida antes mesmo de ser recebida?

Isso vale tanto para pessoa física, quanto para jurídica.

Se eu fizer uma análise de liquidez da pessoa jurídica e identificar que ela tem pouca capacidade de pagamento, aí eu faço uma análise de endividamento, verifico que a situação não é boa, porque eu vou oferecer crédito? Por que eu vou assumir esse risco de inadimplência?

No artigo Os 5 C’s de Crédito: Critérios de análise de crédito explico sobre o “C” de Capacidade e podemos entender critérios como a capacidade do devedor e seu garantidor de geração de receita e o grau de comprometimento dessa renda, se consegue gerar receitas extras, ou até, se só gera receita extra.

Em relação à operação esses níveis de risco de crédito, devem considerar a natureza e finalidade da transação, as características da garantia oferecida e o valor da operação.

Verifica-se ainda, se aquele empréstimo destina-se a capital de giro, aquisição de artigos fixos, enfim, qual é a finalidade daquele crédito. 

Com relação às garantias, se a garantia é suficiente para garantir o pagamento da dívida ou não, já que ela pode cobrir somente uma parte da dívida e isso pode aumentar o risco de crédito.

E obviamente, o valor da transação também é considerado. Quanto maior o valor, maior a possibilidade de perda, logo, maior o risco.

Classificação das Operações

Então, após levantar essas informações, em termos de devedor, garantidor e operação, é feito um relatório sobre isso, e em seguida a operação é classificada dentro dos riscos, de menor até maior risco, do nível AA até os níveis F, G e H.

Ou seja, é feito um rating, uma pontuação, dentro de todas essas características, cujos títulos das operações são classificados, conforme o seu próprio nível de risco.

Tem que ser feita uma análise isolada mesmo, por operação.

Todos aqueles itens que forem classificados como maior risco, devem ser reavaliados, devem ser examinados em termos de características para devedor, garantidor e operação, pelo menos, mensalmente.

Quando são divulgados balancetes ou balanços, se ocorrer qualquer atraso de pagamento, se não for pago o encargo, ou se tiver atrasando, apresentando qualquer perfil de inadimplência, pedido de renegociação de dívida constante, seja o que for que estiver acontecendo, então, eu vou ter que fazer a classificação antes de chegar no mês.

Se as condições forem normais, mas tiver ainda aquele risco, uma nova avaliação é feita para checar se está dentro do nível adequado de classificação ou se é preciso diminuir ou aumentar esse risco.

Segundo o art. 3º da Resolução 2.682/99, a classificação das operações de crédito de um mesmo cliente ou grupo econômico, deve ser definida considerando aquela que apresentar maior risco, admitindo-se excepcionalmente classificação diversa para determinada operação e deve ser revista, no mínimo

Mensalmente, por ocasião dos balancetes e balanços, em função do atraso verificado no pagamento de parcela de principal ou de encargos, devendo ser observado o que segue:

I – atraso entre 15 e 30 dias: risco nível B, no mínimo;
II – atraso entre 31 e 60 dias: risco nível C, no mínimo;
III – atraso entre 61 e 90 dias: risco nível D, no mínimo;
IV – atraso entre 91 e 120 dias: risco nível E, no mínimo;
V – atraso entre 121 e 150 dias: risco nível F, no mínimo;
VI – atraso entre 151 e 180 dias: risco nível G, no mínimo;
VII – atraso superior a 180 dias: risco nível H;

É como se fosse atribuída uma idade para os dias de atraso dos títulos. Desde o nível B, onde um leve atraso é percebido, até o nível H, cujo atraso ultrapassa 180 dias.

 

O COSIF

Complementando o que o BACEN e o CMN determinam nessa Resolução, nós temos informações do COSIF.

O COSIF é o Plano de Contas ou Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional e tem informações extremamente interessantes que podem ser acessadas em termos de regulamentação das instituições financeiras.

Ele determina que depois de feita essa classificação de prazos – lembrando que a revisão é mensal – uma provisão deve ser criada.

Criar uma conta que em contabilidade a gente considera como uma conta redutora  do contas a receber.

É uma conta que diminui o saldo das contas a receber, diminui o seu direito de recebimento.

E aí, como ela é constituída?

Por exemplo, um título de R$ 1.000,00. Ele é classificado para saber quanto de R$ 1.000,00 está no nível A, quanto está no nível B. O saldo é classificado e depois aplica-se a porcentagem correspondente, registrando a provisão e obviamente a possível despesa com essas perdas.

A classificação da carteira em níveis de risco implicará na constituição de provisão não inferior ao somatório dos seguintes percentuais:

a) 0,5% sobre o valor das operações classificadas como de risco nível A;
b) 1% sobre o valor das operações classificadas como de risco nível B;
c) 3% sobre o valor das operações classificadas como de risco nível C;
d) 10% sobre o valor das operações classificadas como de risco nível D;
e) 30% sobre o valor das operações classificadas como de risco nível E;
f) 50% sobre o valor das operações classificadas como de risco nível F;
g) 70% sobre o valor das operações classificadas como de risco nível G;
h) 100% sobre o valor das operações classificadas como de risco nível H.

Então, vejam: para o nível B e C, nós temos entre 1 e 3% de provisão, é um valor baixo.

Quando chega em F. G e H, já estamos falando em baixar 50%, 70%, dos meus valores a receber, ou seja, criando uma provisão.

A definição ela é bem tranquila e a evidenciação também.

Provavelmente não deverão transitar pelo caixa e obviamente que para títulos no nível H, com vencimento superior a 180 dias, o COSIF determina que deve ser baixado 100%, como provável perda por inadimplência.

A legislação fiscal no Brasil não aceita para empresas enquadradas no lucro real, uma dedução maior do que 3% do valor do contas a receber.

Então, para a contabilidade societária, a empresa realizar uma provisão maior que 3% lá no livro de apuração do lucro real, deverá ser feito um ajuste nessa diferença, porque a legislação fiscal não aceita mais que 3%.

Mas o legal é que a empresa faça, obviamente uma provisão adequada, já que ela tem que representar contabilmente  a realidade do negócio e depois faça apenas o ajuste no momento de apuração do imposto de renda e contribuição social a pagar para o fisco.

Agências de Rating

Falando um pouquinho de rating, como o próprio nome já diz, é uma nota.

Grandes empresas no mundo como a Moody´s, Standar & Poor´s e Fitch são empresas que atribuem notas para empresas e países.

Então, tanto os países do mundo, quanto as empresas que fazem parte da economia de cada um desses países, tem uma nota e essa nota ela tem que representar um perfil de adimplência ou inadimplência daquela instituição.

Essas informações são relevantes e muito utilizadas no mercado, pois na verdade, trata-se de um monitoramento contínuo da qualidade da carteira de crédito.

Então, é possível promover ações preventivas, à medida que se conhece essas notas, pois é possível saber o que esperar daquela empresa ou país.

Os ratings utilizados por essas 3 grandes empresas variam:

Na 1ª coluna eu tenho a forma como a Standard & Poors e a Fitch atribuem as notas.

E ao lado são as notas da Moody´s.

Então, nós vamos verificar dentro dessas classificações todas as características que a empresa ou país possui.

Por exemplo, se eu classifico aqui em BB+, BBB ou BB-, para empresas e países classificados nesse rating, identifica-se que as variáveis econômicas tem impacto na capacidade de pagamento.

Então, tem que se prestar muita atenção no que tá acontecendo para saber se vai ou não receber o crédito daquelas instituições.

Essas notas podem variar de uma empresa para outra, mas elas tem o mesmo significado, é só a forma de anotação utilizada que muda.

Abaixo temos outra tabela que divide os graus e aí a gente fala que as empresas que estão classificadas até o BB-, elas ainda são empresas consideradas como grau de investimento, que tem boa capacidade de pagamento. Elas são classificadas como bons pagadores.

Todo mundo que entra no grupo vermelho, já é chamado de grau especulativo e aí tem muita probabilidade de calote.

Perceba que apenas a Moody´s vai até o nível C. A Standard & Poors e a Fitch até o nível D.

Dois pontos principais a serem destacados:

  1. A análise do risco de crédito não envolve apenas questões operacionais, mas também questões políticas, econômicas e claro, as características da própria dívida.
  2. Nenhuma informação tem que ser considerada como verdade absoluta. É sempre importante estar atento a informações de indicadores.

 


Siga-nos no Instagram: @viverdecredito.

Um forte abraço.

Rosa Oliveira
CEO & Gerente de Projetos Digitais da Viver de Crédito

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Leia outros artigos

Podcrédito: Carlos Nepomuceno

Em entrevista exclusiva para o Viver de Crédito, Ingrid Barth, diretora na ABFintechs e COO & Founder da Linker – banco digital focado em pequenos empreendedores – conta como são os bastidores das fintechs brasileiras e o que podemos esperar desse mercado em ascensão.

Leia mais »