3 dicas para escolher local para montar sua empresa de Correspondente Bancário

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Você tem dúvidas sobre qual o modelo ideal para estabelecer o seu ponto comercial?

Essa é uma decisão importante para quem está começando como Correspondente Bancário, já que influenciará sobre todo o modelo do negócio.

Na determinação dos limites de faturamento, na estrutura de atendimento que será adotada, na confecção de materiais de marketing e na construção da identidade regional, a escolha do ponto é determinante.

Neste artigo, separei 3 dicas sobre a escolha do melhor local para montar o seu Correspondente Bancário, de acordo com o modelo de negócios que você adotará para iniciar.

Não esqueça de colocar a sua opinião nos comentários abaixo, ⬇ pois é a sua opinião que me ajuda a rechear esse blog de conteúdo!

Como escolher o melhor local para montar o seu Correspondente Bancário?

Um fator que faz parte das decisões e do Orçamento de quem está começando um negócio de Correspondente Bancário é a escolha do ponto onde o negócio será instalado.

Os melhores lugares para montar um Correspondente Bancário ainda são os grandes centros financeiros, onde há grande circulação de pessoas, e onde normalmente elas ainda procuram crédito.

Porém, os coworkings vieram para ficar e embora o mercado ainda esteja se adaptando a este novo conceito, poderá ser uma ótima opção para quem não dispõe de muito capital, mas possui uma pequena margem para investir no ponto.

Já para quem está começando e não possui nenhum ou praticamente nenhum capital, o home-office se apresenta como uma solução barata e ao mesmo tempo, lucrativa, desde que algumas estratégias estejam atreladas e bem planejadas, inclusive ter um Plano de Expansão.

#Dica1 – Escritório,  Sala ou Loja Comercial

Se você optar por um destes modelos, cujas instalações são específicas para fins comerciais, encontrará menos limitações e dificuldades no credenciamento junto às instituições financeiras.

Normalmente, o processo de credenciamento se inicia com uma reunião inicial com um representante da instituição, um operador ou gerente comercial, onde são analisados todos os aspectos do seu negócio previamente, inclusive as instalações. 

Não é necessário ter um espaço físico muito grande.

  • Conjunto comercial
    Se for um conjunto comercial, geralmente este tipo de espaço é dividido em salas, ou no mínimo, possui uma ante-sala, além da sala principal.Uma mesa para a recepção, com um sofá de espera, café, água e revisteiro, para acomodar clientes, antes do atendimento comercial é o ideal.Se houver um único espaço compartilhado, pode-se usar uma mesa para cada membro e uma mesa de reunião, que sirva de apoio para alternar entre os atendimentos comerciais.
  • Sala Comercial
    Geralmente sala comercial se apresenta por um espaço único pequeno, com ou sem divisórias.Se for muito pequeno, para ganhar espaço, você pode usar uma estrutura de baias de atendimento, cujo cliente já é recepcionado diretamente na mesa onde será atendido.Também é ideal que se deixe um sofá de espera para acomodar os clientes quando as baias ou mesas estiverem ocupadas.
  • Loja
    Se você conseguir começar por uma loja, poderá dividir a estrutura física da mesma forma que faria num escritório ou sala comercial, porém, com a vantagem de que nesse modelo, contará com a visibilidade de pedestres, veículos e poderá ter uma fachada com placa exposta ao público.Inicialmente você vai ter os custos da automação, máquinas, móveis, Internet, aluguel, funcionário (se houver) e impostos.

Nos 3 modelos apresentados acima, os custos são maiores e você poderá enfrentar burocracia para alugar o imóvel, tais como: comprovação de renda, garantia locatícia, dentre outras.

Sobretudo, o faturamento poderá ser maior já que a estrutura poderá comportar maior movimento, poderá contratar colaboradores e encontrará menos empecilhos no credenciamento direto junto às insituições financeiras, ampliando assim, seu portfólio de linhas de crédito.

Se o Plano de Negócios for bem feito, o orçamento preciso e você tiver uma reserva planejada, terá tudo para ser um sucesso em menos de 6 meses!

 

#Dica2 – Coworking

Se você optar por este modelo poderá encontrar limitações e dificuldades no credenciamento junto às instituições financeiras.

Geralmente as instituições não aceitam o modelo de coworking, salvo exceções, onde o Correspondente Bancário possua endereço fiscal no endereço do coworking, ou seja, no contrato social conste como sede o mesmo endereço do coworking.

Também haverá maior limitação com relação ao atendimento de clientes, pois, geralmente, os contratos com coworkings restringem seu uso a um determinado número de horas ou poderá não haver disponibilidade de sala para atendimentos de última hora.

Apesar de algumas limitações, os custos do negócio serão bem menores se comparados aos de um escritório próprio, já que não será preciso investir em móveis, Internet, recepcionista e os custos da locação são bem menores.

Geralmente nos coworkings encontramos 4 tipos de planos: “escritório virtual”, “endereço fiscal”, “estação de trabalho” e “sala comercial”.

  • Escritório virtual 
    Em planos de “escritório virtual”, os coworkings disponibilizam a autorização para utilizar o endereço comercial como referência domiciliar em todos os materiais de divulgação, como: cartões de visita, site, mídias sociais, etc. Em alguns planos também estão inclusos os serviços telefônicos e recepção de documentos, que também podem ser contratados à parte, caso não estejam incluídos no plano contratado.Nesta opção não pode ser usado como endereço fiscal, ou seja, constar no contrato social o endereço do coworking como sede, e para usar a estrutura de “sala de reunião” para o atendimento de clientes, deve-se agendar previamente e estar sujeito à disponibilidade, além do valor ser pago à parte.Os valores mensais normalmente variam de R$ 80,00 a R$ 220,00 e o uso de sala de reunião varia de R$ 18,00 a R$ 50,00 por hora.
  • Endereço fiscal
    Já em planos como os de “endereço fiscal”, o uso é bem parecido com o do “escritório virtual”, porém, há autorização para o endereço ser utilizado como sede fiscal, constando como domicílio da empresa em contrato social e perante os órgãos públicos. Os valores mensais normalmente variam de R$ 220,00 a R$ 450,00 e o uso da sala de reunião varia de R$ 18,00 a R$ 50,00 por hora.
  • Estação de trabalho
    Neste plano os coworkings disponibilizam uma vaga em uma estação de trabalho ou mesa, podendo ser fixa ou rotativa, conforme contratado, para que o profissional exerça suas atividades durante o período que contratar. Normalmente, nesta opção está incluso o direito de usar o coworking como endereço fiscal.Os valores mensais geralmente variam de R$ 680,00 a R$ 1.100,00. Em alguns planos está incluso um pacote de horas mensais, para utilização de sala de reunião, que se ultrapassadas ao número de horas do pacote, poderão ser contratadas a parte.
  • Sala privativa
    Este é o plano premium dos coworkings e consiste em uma sala comercial privativa dentro do coworking, já equipada com mobiliário e preparada para funcionar como uma sala comercial comum.
    Nestes planos estão inclusos todos os serviços disponíveis do coworking. Porém, dependendo do tamanho da sala poderá ter um custo muito elevado e não compensar, se comparado à locação de uma sala comercial própria.Os valores mensais podem variar de R$ 2.000,00 a R$ 6.500,00, dependendo do tamanho da sala e número de lugares para comportar uma equipe. Algumas Fintechs começaram no Brasil utilizando este modelo de ponto comercial.


#Dica 3 – Home-Office

Se você optar por começar seu negócio na sua casa, antes de tudo, você deve verificar junto à prefeitura da sua cidade se a lei de zoneamento permite a instalação do seu tipo de negócio naquele endereço.

O home-office é delicioso e muito econômico, porém, você poderá encontrar muitas limitações, o que não será positivo se você estiver começando seu Correspondente Bancário.

Primeiramente você vai precisar delimitar um local de trabalho, dentro da sua casa, para organizar a sua vida profissional.

Também precisará definir um horário comercial e estabelecer uma rotina que concilie perfeitamente a sua atuação “home” e a sua atuação “office”.

Feito isso, o próximo passo é conscientizar as pessoas que moram com você. Essa parte pode não ser tão simples!

Em termos de “instalações”, basicamente será ideal que você tenha uma iluminação eficiente, uma cadeira confortável, uma mesa com gaveteiro e de preferência um armário ou arquivo, um painel ou mural de recados, computador com impressora, materiais de escritório e é desejável que você personalize o seu espaço, tornando-o o mais agradável possível para você trabalhar e dando a sua identidade ao seu “cantinho de trabalho”.

Recomendo que você mantenha um contrato mensal com um coworking em um plano de “escritório virtual”, para que possa deixar seu negócio mais profissional sob o ponto de vista externo.

O escritório virtual será seu domicílio de referência para você inserir em seu site, mídias sociais e para agendar atendimentos avulsos, para receber seus clientes, conforme a demanda, enquanto seu espaço físico em home-office será o seu “QG”.

Estando tudo checado e pronto para começar, voltemos às limitações que mencionei.

Para se cadastrar junto às instituições financeiras, você não poderá usar seu endereço residencial, pois os bancos não aceitam.

Para essa finalidade, no mínimo, você poderá tentar fazer um contrato de “endereço fiscal” para usar essa opção, o que encarecerá um pouco seu custo.

Outra limitação é que a sua divulgação ficará restrita a praticamente o cenário virtual e indicações de conhecidos, caso você não mantenha um “endereço virtual comercial” de apoio.

Para essa estratégia funcionar, você precisará traçar um plano de marketing digital, investir em tráfego nas mídias sociais e manter a frequência da divulgação, o mais profissional possível.

Este modelo funciona muito bem se você for muito disciplinado, traçar a estratégia correta e, tiver clareza de que talvez, só comece a lucrar, depois que conquistar uma carteira de clientes substancial e recorrente, o que pode levar um tempo, entre 6 meses a 1 ano.

Muitos desistem por esperarem resultados imediatos, o que não acontece, seja como Correspondente Bancário, seja em qualquer atividade empreendedora ou autônoma.

Quando estiver planejando o seu negócio, é muito importante que você faça um alinhamento entre a sua conveniência de tempo, realidade financeira e expectativas profissionais, a fim de escolher a opção de ponto comercial que apresente o melhor custo-benefício.

 


Siga-nos no Instagram: @viverdecredito.

Um forte abraço.

Rosa Oliveira [Sfgtu]
CEO & Gerente de Projetos Digitais da Viver de Crédito

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Leia outros artigos

Podcrédito: Carlos Nepomuceno

Em entrevista exclusiva para o Viver de Crédito, Ingrid Barth, diretora na ABFintechs e COO & Founder da Linker – banco digital focado em pequenos empreendedores – conta como são os bastidores das fintechs brasileiras e o que podemos esperar desse mercado em ascensão.

Leia mais »