Viver de Crédito | Corbantech - Posicionamento Digital para Correspondentes Bancários

LGPD x Correspondente Bancário: a nova Lei de proteção de dados prejudica o profissional de crédito?

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Você provavelmente já ouviu falar na LGPD. E se ainda não ouviu, prepare-se, porque certamente vai!

A LGPD é a sigla para Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, uma iniciativa que visa regular a coleta e o processamento de dados pessoais online e offline.

Na prática, é a lei que obriga qualquer empresa a seguir algumas regras na hora de solicitar informações de seus clientes. E isso inclui o Correspondente Bancário.

A partir de 2020, o profissional de crédito deverá pedir autorização e terá que explicar, detalhadamente, com qual finalidade está solicitando dados pessoais de seus clientes.

Ele também passa a ser judicialmente responsável pelas informações que coleta e proibido de utilizá-las para qualquer outro motivo.

E mais: caso o cliente se arrependa de ter dado sua autorização, o correspondente tem obrigação de excluir qualquer traço de informação apurada.

Tudo isso indica que o correspondente bancário terá ainda mais responsabilidade e trabalho no próximo ano.

Mas será que isso é algo ruim, necessariamente?

Neste artigo, trouxemos informações a respeito da LGPD e como a mudança afetará a atividade de Correspondente Bancário.

Não esqueça de colocar a sua opinião nos comentários abaixo, ⬇ pois é a sua opinião que nos ajuda a rechear esse blog de conteúdo!

lgpd x correspondente bancario

Como a LGPD pode beneficiar o correspondente bancário

Será que as mudanças na Lei de proteção de dados será algo ruim, necessariamente, para o profissional de crédito?

A resposta é não!

Muitos profissionais da área financeira estão enxergando a LGPD como algo que veio para atrapalhar e prejudicar o trabalho de quem depende da coleta de informações altamente sigilosas, como o correspondente bancário.

Alguns estão preocupados que a legislação prejudique seus negócios, afaste os clientes e coloque em cheque o trabalho que já desenvolveram até aqui. Mas a verdade, é que a LGPD não é uma vilã.

Ainda que a lei exija que o correspondente atualize alguns processos internos para garantir a segurança de seu cliente, ela também deve ajudar a reduzir drasticamente o número de fraudes e pessoas que não estão realmente qualificadas para trabalhar com informações financeiras de terceiros.

Com isso, a confiança do consumidor no setor bancário deve crescer ainda mais, o que favorece os negócios do Correspondente Bancário.

Outro ponto que vale a pena mencionar é que bons profissionais já se preocupam em orientar bem seus clientes e cuidam para que os dados deles permaneçam bem protegidos.

Com a chegada da LGPD eles precisarão, apenas, reafirmar o compromisso de resguardar as informações que os consumidores confiaram a eles e manter um trabalho de excelência, que é o que fideliza e gera confiança no relacionamento.

Em suma, o que a Lei Geral de Proteção de Dados deve fazer é criar um mercado mais profissional, seguro e antenado com as tendências de privacidade que já estão se estabelecendo no mundo todo – a Europa, por exemplo, tem uma lei semelhante desde o ano passado.

E isso só deve beneficiar o correspondente bancário que trabalha corretamente e preza pela segurança do seu cliente.

Ainda que mudar possa parecer desafiador, o correspondente bancário deve entender que o mercado precisa acompanhar as transformações no comportamento do consumidor.

E hoje, cada vez mais, as pessoas estão cientes de que informações muito íntimas – fotos, vídeos, números de documentos, IPs de seus computadores, e muito mais – estão sendo coletadas e usadas para propósitos que elas desconhecem.

O setor de crédito não pode ficar alheio a essa tendência. Até porque um mercado estagnado e desatualizado, é um mercado morto. E isso é o pior que pode acontecer para o profissional do segmento.

Mudanças acontecem em qualquer setor, e é isso que move os profissionais e as empresas que atuam nele para frente!

Cabe a você, correspondente bancário, decidir se prefere usar seu tempo para lamentar a chegada iminente da nova lei, ou emprega-lo preparando estratégias para aproveitar os melhores aspectos do novo cenário que está se desenhando.

 


Siga-nos no Instagram: @viverdecredito.

Um forte abraço.

Luiza Olinda

COO & Gerente de Projetos da Viver de Crédito

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Leia outros artigos

Podcrédito: Carlos Nepomuceno

Em entrevista exclusiva para o Viver de Crédito, Ingrid Barth, diretora na ABFintechs e COO & Founder da Linker – banco digital focado em pequenos empreendedores – conta como são os bastidores das fintechs brasileiras e o que podemos esperar desse mercado em ascensão.

Leia mais »