Viver de Crédito | Corbantech - Posicionamento Digital para Correspondentes Bancários

Produtividade para Correspondentes Bancários: 3 erros básicos

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Leia neste artigo, três erros básicos de produtividade para correspondentes bancários

Muitos correspondentes bancários sentem dificuldade em ter mais produtividade em suas atividades.

Esse é um problema que muitos profissionais enfrentam, especialmente os agentes de crédito que atuam em home office.

Baseada em alguns erros que cometi quando era correspondente bancária e de relatos de outros corbans, resolvi criar esse artigo com algumas dicas.

Listo abaixo, três erros mais comuns que prejudicam a produtividade do Correspondente Bancário e como você pode corrigí-los para se tornar mais organizado e produtivo.

Não esqueça de colocar a sua opinião nos comentários abaixo, ⬇ pois é a sua opinião que me ajuda a rechear esse blog de conteúdo!

 

produtividade para correspondentes bancarios

 

Produtividade para correspondentes bancários tem a ver com transformação digital?

A verdade é que a revolução digital está acontecendo e muitos ainda não perceberam. Portanto, antes de entrar no assunto “erros de produtividade para correspondentes bancários”, quero te dar um conselho:

Se você ainda não fez, comece a planejar a transformação digital do seu negócio de correspondente bancário o quanto antes. A tendência é que todos os bancos tenham processos 100% digitais em pouco tempo.

E se operacionalmente isso será ótimo para o correspondente bancário, estrategicamente, quem não estiver preparado vai perder clientes. Vai perder posição. Pense nisso:

Os clientes de hoje serão os leads qualificados dos bancos de amanhã.

Você percebe que a partir do momento que seu cliente entrar no cadastro do banco, e puder formalizar a proposta por contrato digital, a figura do intermediário (você) poderá se tornar dispensável?

É nesse aspecto que a transformação digital é de suma importância. Enfim.

Eu sei que quando você ouve falar sobre transformação digital, pode se perguntar coisas como:

  • É simples?
  • É rápido?
  • Vou ter que gastar muito dinheiro?
  • Consigo fazer por conta própria?
  • É um sistema?
  • É só eu ter um site?
  • Como funciona isso?

Bem, esse artigo não fala sobre transformação digital especificamente, fala sobre produtividade.

Eu não sou especialista em produtividade para correspondentes bancários, mas não tenho dúvidas de que a transformação digital pode te ajudar a ser mais produtivo.

Em outras palavras, quando você agrega tecnologia, cultura, mentalidade e recursos digitais no seu negócio de correspondente bancário, automaticamente a sua produtividade aumentará e você poderá pensar o seu negócio para ser escalável.

 

“Se eu pudesse sair da operação…”

Muitos correspondentes bancários tem dificuldade em organizar bem o tempo das tarefas em seu ciclo de vendas. Normalmente estas tarefas reúnem rotinas operacionais e comerciais, juntas, como:

⏰ recepção da proposta

⏰ consultar a margem do cliente

⏰ consultar tabelas de comissão vs taxas para definir a melhor condição para o perfil do cliente

⏰ simulação de cálculos

⏰ retorno ao cliente

⏰ negociação

⏰ fechar a venda

⏰ inserir o contrato no sistema

⏰ acompanhar o status da proposta

⏰ resolver pendências, se necessário

⏰ dar feedback ao cliente

⏰ formalização

⏰ pós-venda

Ok! É uma rotina agitada, “se pudesse sair da operação, venderia mais”, é como muitos pensam.

Porém, para o corban que não tem assistente operacional ou que trabalha sozinho, precisa colocar a mão na massa nos processos do início ao fim da venda, incluindo as operações, não tem jeito!

Mesmo assim, você pode aumentar e muito a sua produtividade, se combinar algumas práticas, como a padronização de processos, a organizando das informações e evitar ter alguns comportamentos, que fazem você “gastar” mal o seu tempo, como estes 3 erros:

1- Ser excessivamente acessível

Estar acessível aos clientes e manter um ótimo atendimento é um dos aspectos essenciais a um negócio que deseja conquistar fãs da marca. No entanto, ficar refém disso pode comprometer a produtividade do correspondente bancário.

Há momentos em que o correspondente bancário se vê em uma verdadeira “saia justa”. Pode parecer difícil, mas aprender a dizer não para o cliente em determinados aspectos não só pode gerar uma maior fidelização do cliente, quanto reforçar o seu posicionamento perante o mesmo.

Por isso, esteja preparado para neutralizar essas situações com firmeza e ao mesmo tempo profissionalismo, sem perder a simpatia.

Por exemplo, quando um cliente pede uma taxa de juros muito abaixo da que você está ofertando, ele em princípio, está devalorizando o seu trabalho, principalmente porque geralmente, não é um pedido, mas sim, uma ameaça de fechar negócio com outro estabelecimento. Na maior parte do tempo é um blefe.

Nestas situações, você deve ter mente que aceitar o que o cliente “pede” não só vai reduzir a sua remuneração, como vai posicionar a sua relação com ele como uma relação por “preço” e não por “valor”.

Cliente que vem por preço, vai embora por preço. O cliente precisa entender o valor do seu trabalho.

Além disso, você gastará com a operação deste cliente o mesmo tempo que empregará com outros contratos. Será um gasto de tempo, energia, desrepeito com os demais clientes que valorizaram o seu trabalho e aceitaram suas condições comerciais sem barganhar e você ainda receberá menos por isso.

Há também situações em que o cliente extrapola a relação comercial, como pedir coisas ou chamar você fora do horário comercial:

  • Me manda meu holerith?
  • Acessa meu e-mail pra ver se chegou um boleto, rapidão?

Ou até mesmo, quando o cliente chama você no Whatsapp no domingo, as 21 horas.

E lá vai você parar toda a sua produtividade para atender ao pedido do cliente.

Entenda, seu trabalho perante o cliente está relacionado com a operação que ele contrata e não sobre você estar acessível para tudo. E não há qualquer limitação em enxergar dessa forma.

Não sinta um pingo de culpa em recusar ou esperar para responder a mensagem somente dentro do horário comercial.

Para cada folgado, existe um sufocado.

Tudo o que você pode oferecer além disso, precisa estar planejado, programado e fazer parte da sua estratégia de encantamento de cliente. Nada a mais.

A experiência do cliente é uma estratégia, não um improviso.

2- Não ter foco

A decisão sobre posicionamento de um negócio entre atuar com um único nicho ou mais de um, é uma das mais importantes.

É uma escolha difícil, mas não é fixa, você pode e deve mudar de ideia depois.

Não há problema algum em ajustar um posicionamento que sai dos trilhos ou até mesmo se reposicionar de tempos em tempos.

Mas você precisa ser estratégico para não perder o foco.

Normalmente o correspondente bancário que atua via promotora, encontra uma variedade de produtos muito grande, e isso pode despertar o interesse de trabalhar com diversas linhas de crédito diferentes.

Eu enxergo boas possibilidades de negócios nos dois posicionamentos. Mas também enxergo empecilhos.

Imagine que você é um correspondente bancário que já atua há um bom tempo no nicho de Crédito Consignado para Aposentados e Pensionistas do INSS. Sua produção está indo muito bem.

Então, a sua promotora te manda um e-mail falando sobre um novo produto diferente do que você já vem trabalhando, como por exemplo, o Financiamento de Veículos Pesados (caminhões). E depois manda um outro, falando sobre o Crédito com Garantia de Imóvel.

Você pensa: “posso ampliar meu leque, aumentar minha produção, vender para mais pessoas”.

Agora, você consegue imaginar como será desafiador agregar dois novos produtos para públicos diferentes entre si, e diferentes do público que você já atende?

Salvo se você possui uma equipe grande, e recursos financeiros suficientes pra distribuir entre as diferentes estratégias você vai perder o foco. E consequentemente, sua produtividade.

Até você conhecer bem o funcionamento das operações adicionais, encontrar a melhor forma de dividir sua atenção entre mais de um público e produzir materais e estratégias de divulgação suficientes para alcançar diferentes clientes, você vai perder tempo, dinheiro e corre o risco de se tornar medíocre (na média).

Será que concentrar todas as suas erergias em uma única coisa e se posicionar como especialista não é o caminho mais produtivo para a escalabilidade do seu negócio?

 

3-  Não ter disciplina

Entendo que disciplina não tem a ver com horários, mas com processos.

Para quem trabalha de forma autônoma ou em home office e não precisa cumprir um horário fixo, convém estabelecer uma rotina profissional para que o seu cliente saiba em quais horários poderá falar com você e que você possa se organizar melhor.

Ter uma rotina é muito importante para você conseguir ter produtividade.

Se organize, liste os seus compromissos, verifique todas as tarefas do dia seguinte, evite reuniões improdutivas, use o Whatsapp Business como uma ferramenta de apoio para automatizar mensagens de boas vindas e de ausência, assim, além de informar seus horários de trabalho, também pode personalizar uma mensagem que peça antecipadamente para o usuário dizer seu nome, o que precisa, qual o convênio, etc.

Se quiser organizar seus processos mesmo tendo uma equipe pequena ou até mesmo trabalhando individualmente, você pode conferir também nosso Infográfico que ensina a montar uma Operação Enxuta em apenas 5 passos.

Você também pode acessar o conteúdo do Blog Mais Tempo do Christian Barbosa, a maior autoridade em produtividade do país. Fiz quatro cursos promovidos por ele sobre esta temática e me ajudaram muito a mudar meu modelo mental e me tornar mais produtiva. Dá uma conferida lá!

 


Siga-nos no Instagram: @viverdecredito.

Um forte abraço.

Rosa Oliveira
CEO & Gerente de Projetos Digitais da Viver de Crédito

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Leia outros artigos

Podcrédito: Carlos Nepomuceno

Em entrevista exclusiva para o Viver de Crédito, Ingrid Barth, diretora na ABFintechs e COO & Founder da Linker – banco digital focado em pequenos empreendedores – conta como são os bastidores das fintechs brasileiras e o que podemos esperar desse mercado em ascensão.

Leia mais »