Viver de Crédito | Corbantech - Posicionamento Digital para Correspondentes Bancários

Como calcular o empréstimo consignado

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Calculando o Empréstimo Consignado INSS

É sabido que para o Consignado INSS, o valor máximo permitido de comprometimento de renda é de 30% ou até 9 contratos para o Empréstimo Consignado e de 5% ou 1 Contrato, para o Cartão de Crédito Consignado.

Estes percentuais correspondem ao valor máximo em prestação mensal, que o benefíciário poderá ter descontado do valor do seu benefício do INSS ou aposentadoria. 

Neste artigo, vamos te ensinar a calcular manualmente o empréstimo consignado INSS. 

Não esqueça de colocar a sua opinião nos comentários abaixo, ⬇ pois é a sua opinião que me ajuda a rechear esse blog de conteúdo!

 

Validação do Cliente

Ao fazer a prospecção do cliente, o Correspondente Bancário deve consultar primeiramente se a espécie daquele benefício é permitida para o Crédito Consignado.

Essa informação geralmente está disponível no contracheque do cliente, que pode ser emitido e fornecido pelo mesmo, no site do Meu INSS.

Caso o cliente ainda não possua cadastro no sistema do Meu INSS, poderá seguir as instruções deste artigo: Como Acessar o Meu INSS .

Tendo em mãos o contracheque do cliente, além de verificar a elegibilidade da espécie do benefício, também é possível acessar aos dados necessários para calcular a margem consignável disponível ao beneficiário.

 

Rubricas do Contracheque

Rubricas são os itens constantes do contracheque do cliente, para débito ou crédito, que são consideradas no cálculo da margem (ou seja, tudo o que deve ser somado ou descontado antes da simulação de cálculo.

Cálculo da Margem Consignável

Exemplos de Rubricas de Crédito (devem ser SOMADAS)

(+) Mens. Reajustada
(+) Compl. da M.R.
(+) Salario familia
(+) Grat. ex-Comb.
(+) RFFSA nao trib.
(+) Compl. acompan.
(+) Outras Vantagens
(+) Plansfer RFFSA
(+) Dupla Atividade
(+) Grat.Produt. ECT
(+) Adic. Talidomida

 
Exemplos de Rubricas de Débito (devem ser ABATIDAS antes de calcular a margem)

(-) I.R. ret. Fonte
(-) Débito pensão alimentícia
(-) Decisão Judicial
(-) I.R. no exterior
(-) Debito dif. I.R.
(-) Desconto INSS
(-) Contrib. COBAP
(-) Contrib. CONTAG
(-) Contrib. STFERJ
(-) Contrib. ASTRE
(-) Contrib. FORCA SIND
(-) Contrib. CUT
(-) Contrib. UNIDAS
(-) Contrib. CGT
(-) Contrib. SINDAPB
(-) Contrib. ASBAPI
(-) Contrib. Anapps


OBS: As demais rubricas NÃO são consideradas no cálculo da margem e devem ser ignoradas (Exemplo “Décimo
Terceiro Salário”) . 

 

O que é Margem Consignável?

Análise de Margem

Margem é o valor máximo de parcela que o cliente poderá comprometer da renda para pagamento de
empréstimo.

De acordo com a legislação, o beneficiário do INSS pode comprometer até 30% da Mensalidade Reajustada (salário bruto) caso não possua cartão de credito consignado.

Já para o cartão de crédito consignado, é permitido o comprometimento de 5% da Mensalidade Reajustada, perfazendo o total máximo de 35% da renda comprometidos com empréstimos consignados.

Ou seja, até 30% para empréstimos consignados comuns e até 5% para cartão de crédito consignado.

Conforme você já viu, o percentual máximo para comprometimento de renda do cliente tomador de
empréstimo é de 35%.

A análise é feita por meio do contracheque do cliente. Agora vamos aprender como calcular o empréstimo consignado

 

Cálculo de Margem (sem Cartão)

Fórmula:
Mensalidade Reajustada (MR) - Imposto de Renda (IR) x 30% (margem consignável / MC) = Valor Máximo que poderá se transformar em parcela, ou seja, Margem Consignável.


Ao fazer o cálculo você obterá a Margem Bruta do cliente. Caso o mesmo já possua Empréstimos, deverão ser deduzidas as parcelas existentes para se chegar à Margem Líquida do cliente.


Veja novamente a fórmula, dessa vez, considerando que o cliente já possui empréstimo consignado, encontrando a margem líquida:


Fórmula:
Mensalidade Reajustada (MR)
(-) Imposto de Renda (IR)
(x) 30% margem consignável: Valor Máximo que poderá se transformar em parcela (Margem bruta)
(-) Empréstimos Já Existentes em Folha (Consignado Empréstimo)
(=) Margem líquida

Exemplo:
Mensalidade Reajustada: R$ 937,00 
(X) 30%: Margem Consignável Bruta = R$ 281,10
(-) Empréstimos: R$ 100,00
(=) Margem Consignável Líquida| R$ 181,10

 

Cálculo de RMC (Reserva de Margem Consignável para Cartão de Crédito Consignado)

Fórmula:
Mensalidade Reajustada (MR)
(x) 5% (Margem de Cartão Consignado / RMC)
(=) Valor Máximo que poderá se transformar em parcela (Margem bruta)

 

Ao fazer o cálculo você obterá a margem de “RMC” ou Cartão Consignado do cliente.

Independentemente de haver ou não empréstimos consignados existentes a serem descontados do benefício, este cálculo não se comunica com estes descontos.

Os 5% da Mensalidade Reajustada são destinados a este fim específico, ou seja, uso para cartão de crédito.

Porém, se já houver um desconto referente a cartão no benefício do cliente, mesmo que o valor da parcela descontada seja inferior a 5%, um contrato adicional não poderá ser feito.

Diferentemente do Empréstimo Consignado, cuja legislação permite que sejam feitos até 9 contratos por benefícios.

Todavia, a parcela poderá ser aumentada conforme o aumento de margem.

Em alguns casos, os bancos reservam previamente a margem do cliente, com ou sem consentimento, de modo que a margem fique reservada para aquele banco, impedindo o cliente de fazer contrato com outra instituição.

Nestes casos, a margem reservada não incide desconto sobre a folha de pagamento e o cliente poderá pedir a suspensão da reserva de margem.


Exemplo:
Mensalidade reajustada: R$ 937,00
(X) 5%
(=) RMC ou Margem Disponível para Cartão: R$ 46,85

 

Tabela de Coeficientes

É a tabela que você irá utilizar como parâmetro para cálculo das parcelas e valor do contrato.

Nela connstam os coeficientes, cujas taxas de juros já estão devidamente atribuídas, de acordo com o número de parcelas que o contrato será feito.

Cada banco possui sua tabela própria, podendo sofrer variações de um banco para outro.

Há bancos que utilizam coeficientes diários, enquanto outros utilizam um coeficiente fixo mensal.

As tabelas de coeficientes variam de acordo com a quantidade de parcelas do contrato, e também de acordo com a faixa de taxas de juros praticada.


Exemplo de coeficientes para taxa 2,14% ao mês:

Prazo | Coeficiente
24 | 0,057155
36 | 0,043166
48 | 0,036414
60 | 0,032556
72 | 0,030136

 

Cálculo para achar o valor do contrato

Agora que você já descobriu a margem líquida do cliente, você irá descobrir o valor que ele terá disponível para empréstimo, ou seja, o valor do contrato.

Sabendo que Margem líquida é o valor máximo que poderá ser comprometido em forma de parcela, para descobrir o quanto essa parcela corresponde em forma de empréstimo, você deve realizar o seguinte cálculo:

 
Margem Disponível : Coeficiente = Valor do Contrato

 

Resumindo:

Você vai precisar do Contracheque e da Tabela de Coeficientes do Banco. Vamos supor que seu cliente receba R$ 937,00 de salário bruto e que ele não tenha nenhum empréstimo.

Com o contracheque em mãos, você vai achar primeiramente a margem consignável dele: R$ 937,00 x 30% = R$ 281,10.

Em seguida, você irá até a tabela de coeficientes e descobrirá quanto esta margem permitirá ao cliente tomar em empréstimo.

Supondo que você escolheu começar a simulação em 72 meses, o coeficiente é 0,030136, logo, o cálculo será: R$ 281,10 / 0,030136 = R$ 9.327,71.

Ou seja, nessa situação, seu cliente pode tomar até R$ 9.327,71 em empréstimo, pagando a prestação mensal de R$ 281,10 em 72 vezes.

Mas há diversas situações que surgem mediante uma simulação ao cliente.

Por isso, é muito importante ouvir ao cliente, entender as suas necessidades e condições, para que a venda seja feita de forma bem conectada entre o cliente e o Correspondente Bancário.

Para o caso do RMC o cálculo é:

valor da parcela x 25 ou 29 vezes (definido pelo Banco) = Limite de Crédito Disponível

 

O cliente poderá optar pelo saque de até 95% do valor do limite disponível no ato da contratação, deixando 5% do valor residual do limite para ser usado em forma de cartão de crédito.

O INSS autoriza o desconto de R$ 15,00 de tarifa de emissão do cartão.


Cálculo para achar o valor da parcela

Outra forma de cálculo é pelo valor da parcela.

Supondo que você apresentou a simulação anterior ao ciente, em que o mesmo poderia tomar até R$ 9.327,71 em empréstimo, pagando a prestação mensal de R$ 281,10, em 72 vezes.

Porém, o cliente lhe informa que não precisa de tanto dinheiro, mas de apenas R$ 5.000,00 nas mesmas 72 vezes, e gostaria de saber de quanto será a prestação mensal.

Neste caso, quando você tem o valor do contrato, e quer saber o valor da parcela o cálculo é inverso. 

Ao invés de divisão, usaremos a multiplicação, ou seja:

R$ 5.000,00 x 0,030136 = R$ 150,68

No cálculo acima, você observa que o contrato de R$ 5.000,00 de empréstimo multiplicado pelo coeficiente de 72 vezes corresponde a uma prestação mensal de R$ 150,68.

Se o cliente pedir para refazer a simulação em 48 vezes por exemplo, você deve ir até a tabela de coeficientes e refazer o cálculo, utilizando o coeficiente correspondente.

E se você precisa da nossa ajuda para criar seu negócio de Correspondente Bancário do ZERO, entre em contato conosco.

Vamos agendar um bate-papo sem compromisso para você descobrir como podemos te ajudar.

 


Siga-nos no Instagram: @viverdecredito.

Um forte abraço.

Rosa Oliveira
CEO & Gerente de Projetos Digitais da Viver de Crédito

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Leia outros artigos

Podcrédito: Carlos Nepomuceno

Em entrevista exclusiva para o Viver de Crédito, Ingrid Barth, diretora na ABFintechs e COO & Founder da Linker – banco digital focado em pequenos empreendedores – conta como são os bastidores das fintechs brasileiras e o que podemos esperar desse mercado em ascensão.

Leia mais »