Viver de Crédito | Criação de Sites para Correspondentes Bancários - Como ser Correspondente Bancário

O que são Arranjos de Pagamentos e o que diz a Lei nº 12.865

Você vai ler neste artigo:

Arranjos de Pagamentos, Marco Legal e Oportunidades para Fintechs

Arranjos de pagamentos são acordos que regulam o processamento e liquidação de transações financeiras por meio de instrumentos de pagamento e abrangem negócios como carteiras digitais, pagamentos instantâneos, gateways de pagamento, transferências internacionais, entre outros.

No Brasil, a regulamentação dos arranjos de pagamento é de suma importância para garantir a estabilidade e a segurança do sistema. A legislação referente aos arranjos de pagamento está sob a supervisão do Banco Central do Brasil (BCB), que promoveu a sanção de uma lei específica para o setor.

A Lei nº 12.865, de 9 de outubro de 2013, é a principal norma que estabelece as disposições legais sobre os arranjos de pagamento no Brasil.

Ela define o conceito de arranjo de pagamento, estabelece as competências e responsabilidades do BCB na regulação e supervisão do setor, e cria as condições para a operação de arranjos de pagamento de forma segura e eficiente.

O que Diz a Lei sobre os Arranjos de Pagamento

De acordo com a Lei nº 12.865/2013, o arranjo de pagamento é definido como um “acordo entre um ou mais adquirentes e um ou mais credenciadores, estabelecido por escrito, que discipline as regras e os procedimentos para o processamento e liquidação de pagamentos por meio de instrumentos de pagamento”.

A legislação estabelece também a obrigatoriedade de autorização junto ao Banco Central para o funcionamento dos arranjos de pagamento.

Além disso, as instituições que desejam atuar como arranjos de pagamento devem cumprir requisitos específicos de segurança, governança, gestão de riscos e prevenção à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo.

Atuação de Fintechs em Arranjos de Pagamento

As fintechs têm desempenhado um papel cada vez mais relevante no mercado de pagamentos no Brasil. A regulamentação dos arranjos de pagamento cria oportunidades significativas para que as fintechs inovem e ofereçam soluções financeiras mais eficientes, acessíveis e seguras para os usuários.

Exemplos de Atuação de Fintechs em Arranjos de Pagamento

  1. Carteiras Digitais: Muitas fintechs têm desenvolvido carteiras digitais que permitem aos usuários armazenar informações de pagamento e realizar transações de forma rápida e segura. Essas carteiras podem ser utilizadas em estabelecimentos comerciais físicos e virtuais, bem como para transferências entre usuários.
  2. Pagamentos Instantâneos: As fintechs têm sido pioneiras na oferta de serviços de pagamentos instantâneos, que permitem a transferência de dinheiro em tempo real, 24 horas por dia, 7 dias por semana. Essa modalidade tem se tornado cada vez mais popular, especialmente para transações entre pessoas (P2P) e pagamentos de compras online.
  3. Gateways de Pagamento: Fintechs especializadas em soluções de e-commerce têm atuado como gateways de pagamento, facilitando as transações entre lojas virtuais e as instituições financeiras responsáveis pelo processamento dos pagamentos.
  4. Transferências Internacionais: Algumas fintechs têm oferecido serviços de transferências internacionais com taxas mais competitivas do que as tradicionais instituições financeiras, proporcionando maior conveniência e economia para seus usuários.
  5. Pagamentos Recorrentes e Assinaturas: Fintechs têm desenvolvido plataformas que possibilitam o pagamento de assinaturas e serviços de forma recorrente, facilitando a gestão financeira dos clientes e aumentando a retenção dos usuários.
  6. Meios de Pagamento Alternativos: Outro campo de atuação das fintechs é a criação de meios de pagamento alternativos, como QR Codes, pagamentos por aproximação (NFC) e biometria, tornando as transações mais ágeis e seguras.
  7. Tokenização e Segurança: Fintechs têm investido em soluções de tokenização, protegendo os dados dos usuários durante as transações e reduzindo o risco de fraudes.

A legislação referente aos arranjos de pagamento no Brasil proporciona um ambiente propício para o crescimento e a inovação das fintechs nesse setor.

Com o surgimento de novas tecnologias e soluções financeiras, as fintechs têm a oportunidade de oferecer serviços cada vez mais práticos e acessíveis, impulsionando a evolução do sistema de pagamentos no país.

No entanto, é fundamental que as fintechs cumpram as exigências regulatórias e de segurança para garantir a confiança dos usuários e a estabilidade do sistema financeiro como um todo.


Gostou do artigo? Deixe seu comentário abaixo! Para mais informações sobre o mundo das fintechs, siga-nos no Instagram @viverdecredito.

Time de Marketing da Viver de Crédito

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Picture of Viver de Crédito®
Viver de Crédito®

Somos uma agência digital referência, especializada em sites para correspondentes bancários, além de outras soluções específicas para o mercado de crédito.

Nosso manifesto

Editorias

Picture of Time de Marketing
Time de Marketing
Todos os artigos
Picture of Rosa Oliveira
Rosa Oliveira
Todos os artigos
Picture of Luiza Olinda
Luiza Olinda
Todos os artigos
error: Conteúdo Protegido!!
Como ser correspondente bancário

Faça sua pré-inscrição e garanta sua vaga na próxima abertura do Fórmula Corbantech.